segunda-feira, 5 de janeiro de 2015

as cartas

Eu tenho uma caixinha na prateleira mais alta do meu guarda roupa, e nela eu guardo cartas. Cartas que eu nunca vou enviar, até por várias delas não terem um destino certo.
São apenas cartas. Algumas enormes, desabafos e explicações, outras escritas com pressa pela euforia, várias marcadas por lágrimas, e todas elas com um pouco de mim.
Às vezes sinto como se fosse só eu e o mundo, um mundo cheio de desafios, que talvez eu não consiga sozinha, então eu pego um papel e uma caneta, e explico minhas aflições, analiso com calma, e vejo que muito daquilo nem faz sentido, sabe? Que estou fazendo tempestade em copo d'água. É por isso que eu amo escrever. Eu vejo o meu mundo de uma forma melhor, ao mesmo tempo que registro ele.
Na verdade, esse é o verdadeiro sentido das minhas cartas, registrar o meu mundo.
Um dia, eu quero achar essas cartas, abrir cada envelope, e sentir. Sentir que tudo passou.
Quando eu abrir essas cartas, estarei libertando minhas memórias para, quem sabe, uma pessoa que não se importe mais com elas. Mas, nesse exato momento, eu me importo, e é isso o que vale.

5 comentários:

  1. As fotos ficaram lindas, me encantei! Gostei muito do texto, muito bem escrito. <33

    www.ameliatwee.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ps: Não estou conseguindo seguir o blog :(
      Acho que você esqueceu de por o ID do blog, ó:

      (https://www.blogger.com/follow-blog.g?blogID)

      Excluir
    2. Muito obrigada! <33
      Eu já conferi o código e sempre dá erro :/ Acho que vou excluir esse gadget, deixar aquele simples mesmo. Mas obrigada por avisar!

      Excluir
  2. Além das cartas que eu envio e das cartas que eu recebo, também tenho cartas guardadas com as quais só eu tenho contato. Meus motivos são os mesmos que os seus: registrar o mundo, escrever tudo o que estou sentindo para depois, com calma, "me ler" e me entender. Foi hilário porque no fim de 2013 e início de 2014 eu estava passando por uma fase bem chatinha, estão escrevia desabafos enormes que tinham um detalhe interessante no final: conselhos para mim mesma. Lembretes para que eu não cometesse os mesmos erros descritos, para que eu tentasse evoluir. Essas cartas me guiaram, de certa forma, pelo ano de 2014, e os resultados foram bem satisfatórios!

    Jeito Único

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Amei a ideia, Lari! Vou fazer isso também. Esse ano comecei a escrever cartas para personagens dos meus livros preferidos, tipo o livro "Cartas de amor aos mortos". É muito legal fazer isso, principalmente agora que estou passando por uma "fase chatinha", como você disse haha
      Beijos <3

      Excluir